Pular para o conteúdo principal

3 tendências da tecnologia para 2020


*Texto publicado originalmente na coluna Tecnologia, do jornal Diário de Santa Maria, dia 25.02.2020
E aí, pessoal?! Estão curtindo o carnaval? Festa e agito, ou sofá e Netflix? Mas relaxa, a gente aproveita o carnaval como achar melhor.
E falando em aproveitar, já que estamos prestes a iniciar o ano para valer, quero aproveitar para trazer para você as tendências da área de tecnologia que vão impactar a sua vida, seja pessoal, profissional ou social.
Foto: Brasil de Fato
São inúmeras as tecnologias que vão crescer esse ano, mas resolvi trazer aqui apenas 3 que considero bem importantes destacar. Essa observação foi dada pelo mestre Mauricio Benvenutti, sócio da StartSe. Ele mora no Vale do Silício, nos Estados Unidos, e em uma visita ao Brasil, ele comentou sobre as 3 tendências de tecnologia que estão mexendo com o Vale.
A primeira, que está se disseminando muito rápido e que promete uma mega tendência em médio e longo prazo chama-se "Voice first". Nada mais é que utilizar a voz para iniciar qualquer processo de busca, compra, ajuda etc.
Com o crescimento exponencial dos chamados "assistentes inteligentes", pedir qualquer coisa por meio de voz está se tornando um hábito muito comum nos Estados Unidos. Apesar dessa tecnologia não ser relativamente nova (escrevi ainda em outubro de 2017 uma coluna sobre assistentes inteligentes), o seu desenvolvimento constante para a interpretação de linguagem natural e o surgimento de vários fabricantes criou essa explosão.
Mas você deve estar se perguntando: "Ok, mas o que eu tenho com isso?" Acontece que essa tendência de utilizar assistentes inteligentes já é uma realidade e que vai impactar ainda mais a forma como as pessoas se relacionam e, principalmente, como compram.
Uma pesquisa realizada pela PYMNTS com colaboração da VISA e apresentado pelo site Consumidormoderno.com.br informa que 9,6% dos americanos já tem dispositivos ativados por voz para fazer compras, como a Alexa, da Amazon (aumento de 25% em relação ao ano passado). Sobre o perfil dos consumidores, a média é de 42 anos, com 7,7 dispositivos conectados, 41% tem curso superior e 51% ganham mais de US$ 100 mil por ano, e 58% desse perfil "superconectado" usam seus dispositivos conectados na internet para fazer compras.
Ainda não está claro?
Pois é, se essa tecnologia está crescendo muito, imagina como o seu negócio (seja seu ou onde você trabalha) vai se posicionar para que os seus clientes possam comprar apenas usando a voz.
Como a sua marca será percebida "em voz"?
No Brasil, em outubro de 2019, a Amazon foi a primeira empresa a lançar no país um assistente que compreende português. Seguindo a tendência norte-americana, está de olho no consumidor brasileiro.
Foto: Alexa Echo Dot 3, da Amazon
A segunda tendência que o Mauricio nos traz do Vale é o segundo aplicativo mais baixado no mundo em 2019: o Tiktok.
Segundo ele, essa tendência não é mais promessa, é realidade pura. Para quem ainda não conhece, o Tiktok, criado pela gigante chinesa ByteDance, é uma rede social somente de vídeos curtos e que possui vários recursos para transformar um simples vídeo em uma produção muito bem elaborada.
Mas por que essa rede social seria considerada uma tendência muito forte?
Simplesmente pelo fato que essa rede, apenas em 2019, atingiu 500 milhões de usuários, onde teve 750 milhões de downloads e praticamente 1/3 da população da Índia e dos Estados Unidos já instalou, segundo o site El País.
O perfil dessa galera que usa mais o Tiktok, está na faixa de 16 a 24 anos, onde 90% visitam a rede mais de uma vez por dia durante cerca de 52 minutos, equivalente a 1 bilhão de vídeos vistos a cada 24 horas.
Ok, vem aquela pergunta novamente: E eu com isso?
Acontece que se você está pensando em se posicionar em uma rede, seja como influencer, youtuber, instagramer, ou, de alguma forma, atende esse público mais jovem, fica ligado porque é onde esse perfil de consumidor está e como está consumindo conteúdo.
Se você tem uma marca que atende esse público, você vai querer estar onde eles estão.
Muitos especialistas já aconselham: se você ainda não sabe o que fazer no Tiktok, pelo menos entra lá e cria o seu perfil, para garantir o seu nome de usuário.
Uma frase muito boa que o Maurício usou, explicando o fenômeno do Tiktok, resume tudo isso que está acontecendo: "os jovens não querem estar em uma festa, onde seus pais estão". Assim, os perfis das pessoal vão mudando de rede social para rede social.
Foto: Revista Época
A terceira tendência, que na realidade, foi apontada que não é tendência no Vale do Silício, é sobre a transformação digital.
Segundo o Mauricio, no Vale, transformação digital é uma coisa que não chega a ser tendência porque pode ser considerada passado.
Com a evolução das redes sociais, do e-commerce, de todo o impacto de mídias sociais e a mudança do comportamento das pessoas, principalmente em relação às compras, empresa que ainda não "entrou" na era digital, já é considerada fora do mercado.
Nesse ponto, entendo que o Vale do Silício seja muito mais evoluído tecnologicamente que o Brasil, mas, aqui no país, a transformação digital acaba sendo uma tendência real e está acontecendo. Ainda mais se saímos das grandes capitais e vamos para o interior.
E o que significa essa "transformação digital"?
Essa transformação nada mais é que fazer uso da tecnologia atual, no caso se usa a expressão "digital", para resolver os problemas tradicionais das empresas, da sociedade, das pessoas.
Fala-se em transformação porque as instituições e empresas estão no meio dessa mudança tecnológica. Um exemplo bem comum são os bancos. Atualmente, conseguimos fazer muita coisa usando apenas um smartphone. Chamar um táxi, acompanhar os horários dos ônibus em tempo real, comprar, falar com pessoas, tudo isso de forma rápida e na palma da mão.
E como o consumidor está mudando constantemente o seu comportamento de compra, é muito, mas muito importante que as empresas acompanhem esse fenômeno, se quiserem se manter no mercado e continuar vivas.
Foto: site Genuinesuccess.co.uk
Agora, faz sentido tudo isso?
Você notou que as 3 tendências que relatei acima estão "conectadas"?
Considerando dispositivos eletrônicos acionados por comando de voz, rede social com crescimento exponencial e muito engajamento, e por fim, a transição de processos tradicionais para o digital, tudo isso faz sentido por uma coisa: tornar a experiência de compra dos consumidores a melhor possível, para que recomendem para a sua rede de contatos, voltem e comprem mais.
Lembre-se sempre: o consumidor, é o foco principal! É ele quem tem o poder de direcionar para o sucesso ou para o fracasso qualquer negócio.
Um grande abraço e sucesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quer pagar como?

Colunista Cristiano Silveira comenta sobre a funcionalidade dos celulares para realizar pagamentos E aí, quer pagar como? Sim, uma pergunta desse tipo está cada vez mais comum no dia-a-dia. Antigamente, dinheiro e cheque estavam resolvendo. Aí veio a tal da tecnologia e acelerou tudo.  Sim, acelerou mesmo. Depois com a chegada dos cartões, crédito ou débito, ficou muito mais prático. Só colocar o cartão, digitar a senha e pronto! Não precisava mais carregar dinheiro ou cheque. Mas a tecnologia resolveu ajudar mais um pouco e então resolveram agregar acessórios e outras tecnologias, que inventaram as pulseiras ou até mesmo cartões que realizam o pagamento somente aproximando das maquininhas. Mas se deram conta de uma coisa: por que precisa carregar um cartão de crédito ou débito, se carrego o celular para todo o lugar? Pronto. Criaram os apps que armazenam os dados do seu cartão e servem como carteiras virtuais, onde você começa a pagar apenas aproximando o celular das maqu

Novas linhas para os carros do futuro?

Colunista Cristiano Silveira comenta sobre o Tesla Cybertruck Semana passada foi marcada por uma novidade e tanto no mercado automobilístico. A chegada do novo carro da fabricante Tesla, a Cybertruck .  Logo de cara, o que mais chama a atenção no carro é o design. De ousado a horroroso, as pessoas não economizaram críticas e elogios ao novo modelo.  E o que você acha?  Foto: Tesla (divulgação) Mas quando se trata de criar carros, a Tesla não está para brincadeira. Eles criaram um carro ultra resistente, mais rápido que um Porsche 911 e mais forte que uma Ford F-150. Segundo o site de vendas da própria  Tesla , onde você pode customizar o seu pedido, existem três tipos de motorização: Single Motor RWD; Dual Motor AWD; e Tri Motor AWD, com autonomia de 250 milhas (402km), 300 milhas (482km) e 500 milhas (804km) respectivamente. Lembrando que a Cybertruck é 100% elétrica, não usa combustível fóssil.  Além da motorização, na customização do seu pedido, você pode acrescenta