Pular para o conteúdo principal

Consegue imaginar a Black Friday sem a tecnologia?

Colunista explica como surgiu o termo no comércio e o impacto da Black Friday no Brasil

Na última sexta-feira foi uma loucura em termos de vendas pelo Brasil inteiro. Quem viu, pelo menos, uma propaganda sobre a já famosa Black Friday?

Me surpreendeu que o comércio aqui no Brasil aderiu mesmo essa invenção americana, e tem muita gente tendo resultados bem expressivos. Vi muita propaganda online, nas redes sociais e emails, e vi também muita chamada no offline, TV e folhetos das lojas físicas, chamando para a Black Friday.



Durante a semana, conversei com muita gente sobre isso e várias me perguntaram: "Mas por que é chamada Black Friday"?

O termo Black Friday (do inglês "sexta-feira negra") foi usado pela primeira vez em 1869 para expressar o terror financeiro da quebra do mercado do ouro nos Estados Unidos. Mas foi durante os anos 50 que o termo começou a ser usado para o comércio. As lojas, para renovarem os estoques e acelerarem as vendas para o Natal, criavam ofertas incríveis para toda a sexta-feira após o dia de Ação de Graças.


E como comércio tem em todo o mundo, claro que essa moda pegou aqui no Brasil. A cada ano que passa, mais lojas entram na onda dos descontos da Black Friday, com ofertas imperdíveis mesmo, outras com aquela máxima “a metade do dobro”.



Só para você ter uma ideia, nesta Black Friday brasileira de 2017, segundo o site Eccomerce Brasil, os itens mais procurados foram os celulares e eletrônicos, com 32% do total. A média de R$ 578,00 por compra, com 48% das compras realizadas por pessoas com idade entre 25 e 34 anos. E o dispositivo mais usado para as compras foi o laptop, com 61% de participação. Confira aqui o infográfico completo. 
 Ainda segundo o site ecommercebrasil.com.br, o comércio eletrônico brasileiro faturou R$ 2,1 bilhões em dois dias de Black Friday (considerando a quinta e a sexta-feira). Tratando-se de tecnologia, o mobile foi um dos destaques, porque já mais de 30% das vendas online. Os pedidos feitos via celular aumentou 81% na comparação ao ano passado.
Segundo Pedro Guasti, CEO da Ebit, em apenas quatro anos, o comércio via mobile (m-commerce) sextuplicou. O crescimento do mercado de smartphones e o acesso à tecnologia do 3G e 4G impulsionou fortemente para que esse ano alcançasse esses números.
Segundo Rafael Russo, Head Data Measurement do Google, 60% das tomadas de decisão passam pelo formato digital, mas acabam nas lojas físicas. Alguns dos exemplos desse formato Online para Offline (O2O), o Google registrou um aumento de 300% nas buscas por opções como "compre online e retire na loja" e 70% nas buscas por "lojas próximas a mim" no Google Maps.
Assim, com todo esse mapeamento, conseguem entender melhor a experiência do consumidor quando utiliza a tecnologia para compras.
E se tratando ainda de tecnologia e comércio eletrônico, não poderia deixar de comentar sobre a marcação de um novo recorde de vendas mundial. Estou falando do site Alibaba.com. Ele precisou de pouco mais de 13 horas para bater US$ 25 bilhões em vendas pelo site, transformando o Dia do Solteiro, dia 11/11 na China, em um super evento. Ano passado, ele tinha conseguido US$ 17,8 bilhões. Nesta reportagem, o site G1 mostra que o Alibaba bateu recorde de vendas no Dia do Solteiro.
Os números do Alibaba impressionam no Dia do Solteiro. Com 15 milhões de produtos vendidos por 140 mil empresas, sendo 60 mil internacionais, foram mais de 657 milhões de pedidos e chegou a registrar 175 mil ordens de compra por segundo.
Ano que vem, com o crescimento do acesso à smartphones e internet no mundo, quem duvida que não teremos novo recorde de vendas, seja na Black Friday, seja no Dia do Solteiro?
Abraço e sucesso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quer pagar como?

Colunista Cristiano Silveira comenta sobre a funcionalidade dos celulares para realizar pagamentos E aí, quer pagar como? Sim, uma pergunta desse tipo está cada vez mais comum no dia-a-dia. Antigamente, dinheiro e cheque estavam resolvendo. Aí veio a tal da tecnologia e acelerou tudo.  Sim, acelerou mesmo. Depois com a chegada dos cartões, crédito ou débito, ficou muito mais prático. Só colocar o cartão, digitar a senha e pronto! Não precisava mais carregar dinheiro ou cheque. Mas a tecnologia resolveu ajudar mais um pouco e então resolveram agregar acessórios e outras tecnologias, que inventaram as pulseiras ou até mesmo cartões que realizam o pagamento somente aproximando das maquininhas. Mas se deram conta de uma coisa: por que precisa carregar um cartão de crédito ou débito, se carrego o celular para todo o lugar? Pronto. Criaram os apps que armazenam os dados do seu cartão e servem como carteiras virtuais, onde você começa a pagar apenas aproximando o celular das maqu

3 tendências da tecnologia para 2020

*Texto publicado originalmente na coluna Tecnologia, do jornal Diário de Santa Maria, dia 25.02.2020 E aí, pessoal?! Estão curtindo o carnaval? Festa e agito, ou sofá e Netflix? Mas relaxa, a gente aproveita o carnaval como achar melhor. E falando em aproveitar, já que estamos prestes a iniciar o ano para valer, quero aproveitar para trazer para você as tendências da área de tecnologia que vão impactar a sua vida, seja pessoal, profissional ou social. Foto: Brasil de Fato São inúmeras as tecnologias que vão crescer esse ano, mas resolvi trazer aqui apenas 3 que considero bem importantes destacar. Essa observação foi dada pelo mestre Mauricio Benvenutti, sócio da  StartSe .  Ele mora no Vale do Silício, nos Estados Unidos, e em uma visita ao Brasil, ele comentou sobre as 3 tendências de tecnologia que estão mexendo com o Vale. A primeira, que está se disseminando muito rápido e que promete uma mega tendência em médio e longo prazo chama-se "Voice first". Nada ma

Novas linhas para os carros do futuro?

Colunista Cristiano Silveira comenta sobre o Tesla Cybertruck Semana passada foi marcada por uma novidade e tanto no mercado automobilístico. A chegada do novo carro da fabricante Tesla, a Cybertruck .  Logo de cara, o que mais chama a atenção no carro é o design. De ousado a horroroso, as pessoas não economizaram críticas e elogios ao novo modelo.  E o que você acha?  Foto: Tesla (divulgação) Mas quando se trata de criar carros, a Tesla não está para brincadeira. Eles criaram um carro ultra resistente, mais rápido que um Porsche 911 e mais forte que uma Ford F-150. Segundo o site de vendas da própria  Tesla , onde você pode customizar o seu pedido, existem três tipos de motorização: Single Motor RWD; Dual Motor AWD; e Tri Motor AWD, com autonomia de 250 milhas (402km), 300 milhas (482km) e 500 milhas (804km) respectivamente. Lembrando que a Cybertruck é 100% elétrica, não usa combustível fóssil.  Além da motorização, na customização do seu pedido, você pode acrescenta